sábado, 7 de outubro de 2017

Helicóptero BELL UH-1D SAR

Helicóptero BELL UH-1D SAR
http://www.maismodelismo.com.br/produtos/4793/4811/PLASTIMODELISMO/Avioes--Helic---1-72/Helicoptero-BELL-UH-1D-SAR---Revell---172
Helicóptero BELL UH-1D SAR - História - Com o voo do primeiro Bell XH-40 em 22 de outubro de 1956, a Bell lançou as bases para a família de helicópteros mais bem sucedida no mundo ocidental, e somadas as várias versões que foram construídas, resultam em mais de 16 mil unidades. 
O Bell UH-1A lroquois, o novo helicóptero utilizado no Vietnã iniciou sua produção em agosto de 1962 e provou sua capacidade como helicóptero de transporte e resgate militar. Em seguida vieram as versões UH-1B e C, o UH-1D e ao longo dos anos, tornou-se um dos helicópteros mais populares e produzidos do mundo ocidental, entre eles foram licenciados para a Agusta na Itália, Fuji no Japão, Aloe em Taiwan e Dornier na Alemanha. Já em 1965, a Bundeswehr (Alemanha) decidiu comprar o Bell UH-1D para o exército aéreo e o esquadrão de transporte da Luftwaffe. 
Enquanto os três primeiros helicópteros foram produzidos nos EUA no início de 1966 e foram usadas para testes, as restantes 344 máquinas foram fabricadas pela Dornier na Alemanha. As máquinas alemãs possuem a designação UH-1D, mas foram construídas de acordo com o padrão UH-1 H, que é reconheicdo pelos tubos de escape na parte traseira. 
Além disso, os helicópteros receberam o Lycoming T53-L-13 com 1400 WPS, um motor muito mais potente. O UH-1D tem uma reputação muito boa, é considerado um dos dispositivos de aviação mais seguros e que também pode acomodar cargas volumosas devido a duas grandes portas laterais deslizantes. 
O fator de segurança também induziu o governo federal a usar quatro UH-1Ds no ministério do Ministério da Defesa com equipamentos especiais para o transporte VIP. A Luftwaffe usou sua UH-1D principalmente para a implantação da SAR (resgate) que cumpria os requisitos internacionais de segurança.
Como a primeira unidade, o recém-comissionado esquadrão de transporte aéreo 64 em Penzing, perto de Munique, recebeu seus primeiros helicópteros em 25 de janeiro de 1968. 
Até hoje, as máquinas de resgate aéreo da Força Aérea Alemã são os UH-1D SAR, e que tornaram-se particularmente conhecidas através de inúmeras produções de televisão e missões de resgate. 
Já em 20 de agosto de 1967, os pilotos do exército instalaram as primeiras máquinas para o treinamento na Escola da Força Aérea do Exército em Bückeburg. 
Além da tarefa principal como um helicóptero de transporte leve, as máquinas também foram usadas para operações SAR e, acima de tudo, para assistência internacional.  
Além das operações para o IFOR na Bósnia e para as Nações Unidas na Somália em Chifre da África, esses helicópteros também são largamente utilizadas na Alemanha em emergências civis, como na conhecida inundação de Oder ou utilizado em diversas missões em soluções incêndios florestais.

4 opções na folha de Decais:
- Bell UH-1D SAR, 70 + 70, Lufttransportgeschwader 62,Schönwalde / Holzdorf
- Bell UH-1D SAR, 73 + 40, Army Air Regiment 30, Niederstetten
- Bell UH-1D SAR "médico de emergência", 70 + 51, transportador de transporte aéreo 61, Penzing
- Bell UH-1D SAR "Médico de emergência" 71 + 04, transporte aéreo jader 63, simulação

http://www.maismodelismo.com.br/produtos/4793/4811/PLASTIMODELISMO/Avioes--Helic---1-72/Helicoptero-BELL-UH-1D-SAR---Revell---172

terça-feira, 14 de março de 2017

Lockheed VEGA 5-C WINNIE MAY - Lindberg - 1/48

WINNIE MAY - História

Wiley Post foi um ícone interessante na história da aviação. Ele perdeu o olho esquerdo, enquanto trabalhava num campo de petróleo na década de 1920 e comprou sua primeira aeronave com o acordo legal. Ele se tornou amigo do humorista Will Rogers, quando o colega Oklahoman precisava de um passeio para um rodeio.
Ele logo se tornou o piloto pessoal de um rico petroleiro de Oklahoma, F.C. Hall, que era dono de uma agencia de viagens aereas. Hall comprou um Lockheed Vega para uso pessoal de Wiley Post, nomeando o avião 'Winnie Mae' em homenagem a sua filha. Quando os tempos financeiros ficaram difíceis durante a depressão, Hall vendeu o Vega de volta à Lockheed.
Em 1930, Hall mais uma vez comprou um Lockheed Vega, desta vez um modelo 5-C que representa este kit, e novamente nomeou o avião para sua filha Winnie Mae. Wiley Post é mais conhecido por suas façanhas nesta aeronave. Junto com o piloto Harold Gatty, eles circularam o globo (latitudes do norte EUA-Alasca-Russia-Europa) em oito dias em junho de 1931. Post repetiu o vôo um ano depois pousando um dia a menos do tempo anterior do processo.

Wiley Post inventou o traje de pressão que lhe permitiu voar o Winnie Mae na estratosfera. Tragicamente, Post e o humorista Will Rogers faleceram em 15 de agosto de 1935 após um acidente em Point Barrow, no Alasca.
A Lindberg desenvolveu os moldes para o Lockheed Vega 5-C há muitos anos atrás e apesar de sua idade, é um dos melhores kits da Lindberg.
Moldado principalmente em plástico estireno branco, o kit é composto por 45 peças. Esse número também inclui um pára-brisas de estufa, janelas de cabine laterais e um estande de exibição, todos em estireno transparente.
O detalhe na cabine do piloto é mínimo e inexistente na cabine principal que é típico de muitos kits produzidos hoje.
O que é impressionante sobre este kit são os detalhes do lado de fora. Este kit apresenta separadamente moldado (e móveis) ailerons, profundores e leme. O motor é razoavelmente detalhado  e é introduzido na parte dianteira das fuselagens montadas e fechado por dentro pela parte dianteira do capô.
O trem de pouso também é bem feito e as rodas podem ser deixados móveis dentro do paralama de roda ou fixas e ponderadas como você escolher.
Como era típico de kits nesta época, uma figura piloto simples é incluída para ocupar a cabine e encobrir a falta de detalhes interiores.
Um suporte de exibição claro também é fornecido para descrever e expor a aeronave em vôo.

Os decalques viraram claramente alguma passagem do tempo, mas você pode ver que forneceram as cores e as marcações quase completas do Lockheed Vega 5-C de Wiley Post.
Você pode construir este kit diretamente da caixa ou usar a simplicidade deste kit como uma criar sua própria arte super-detalhada deste Vega.

Esta é apenas uma das duas Vegas produzidas em estireno na escala 1/48 (o outro é a antiga oferta ESCI, que não é mais fábricada há muitos anos). É um kit antigo da Marca Lindberg, porém uma fabricação e injeção recentes pela ROUND2, com a marca the LINDBERG line (marca estabelecida desde 1933), como produto licensiado da LOCKHEED MARTIN. É um kit apreciado entre colecionadores.

http://www.maismodelismo.com.br/produtos/9073/9116/PLASTIMODELISMO/Avioes--Helic---1-48/Lockheed-VEGA-5-C-WINNIE-MAY---Lindberg---148

terça-feira, 7 de março de 2017

Wyvern S.4 (Late Version)

Wyvern S.4 (Late Version) - História
O Wyvern era um monstro mítico com as pernas dianteiras de um dragão e a cauda farpada de uma serpente e, naturalmente, com a aparência de uma criatura má!  
O Wyvern Westland foi o último projeto de aeronave de asa fixa da Westland Aircraft Company e foi um dos últimos caças a hélice. Era um avião muito grande que tinha aproximadamente o mesmo peso que um DC-3, mas maior e duas vezes mais poderoso que um P-47 Thunderbolt. Suas Hélices gêmeas, contra-girando certamente lhe deram a mesma aparência média que seu antecessor. Quatro aviões convertidos e 87 novos foram entregues da versão mais importante Wyvern, o TF.4, e mais tarde renomeado S.4. 

O TF.4 teve inúmeras pequenas mudanças. Com característica de reconhecimento foi a entrada do novo motor, o sistema de engrenagens do girador das hélices, e em seguida, a propulsão muito mais para frente. Pequenas aletas retangulares foram adicionadas a cauda, mudanças foram feitas aos ailerons, os Martin-Baker Mk. 2B foram instalados, e o cockpit foi reforçado. Modificações posteriores incluíram freios de mergulho perfurados, um pára-brisas plano e provisões para tanques de ponta. 


Os esquadrões de unidade do Wyvern eram 827, 813, 830 e 831. Em novembro de 1956, o esquadrão 830 e o esquadrão 831 participaram na campanha de Suez.
Comprimento: 12.8 m
Envergadura: 13.41 m
Altura/Largura com as asas dobradas: 4.57 m / 5.11 m
Peso vazio: 7105kg Peso max: 11115 kg
Velocidade máxima, ao nível do mar: 615 km/h
Velocidade máxima a 3050m: 708 km/h
Tecto de serviço: 8530 m
Autonomia: 1465 km


Wyvern S.4 (Late Version) - O Kit
O kit do Wyvern S4 da Trumpeter em escala 1/48, não é um modelo bastante conhecido. O kit possui mais de 200 peças (223), 8 Sprues, 1 Photo-Etched e 1 Filme do Painel, com excelentes detalhes na superfície. Entre os destaques deste kit, há a possibilidade de montagem das asas na posição dobrada e a hélice dupla com uma pequena parte da engrenagem, que se localiza na parte interna, e, torna o movimento oposto das hélices móvel.
Estão incluídos no kit de uma ampla gama de armamentos e acessórios externos (bombas, foguetes tanques auxiliares). A cabine pode ser detalhada com cintos em Photo-Etched e o painel com filme fotográfico também muito bem detalhado.
Os decalques podem ser usados na construção para 3 diferentes versões da Marinha Real Britânica (Royal Air Force).
  • WN325 830 Sqn., HMS EAGLE em 1956, Suez
  • WN335 831 Sqn., HMS Ark Royal em 1957
  • WL879 813 Sqn., HMS EAGLE em 1958
Em resumo o kit do Wyvern S.4 é um modelo bastante agradável para se montar, e também indicado para iniciantes, pois apesar de ter muitos detalhes, não exige muita habilidade e tempo na criação dos detalhes, por ser um kit muito bem projetado, intuitivo, e de boa qualidade nas peças de injeção.
As tintas principais indicadas neste kit são as GUNZE SANGYO Mr. Color:
C24 – Sky (Céu) e; 
C331 Dark Sea Gray (Cinza Mar Escuro).




domingo, 5 de março de 2017

CONJUNTO DE MODULAÇÃO DE CORES

CONJUNTO DE MODULAÇÃO DE CORES - Versão Verde Oliva Mr. Color CS581

 
     A função do Conjunto de Modulação de Cores, é, através de técnicas de sombreamento e realce, tornar miniaturas uma figura mais real, e parecer mais tridimensional, através desses efeitos de sombreamento e o modo como a luz incide sobre a miniatura.
Se nada é feito após a pintura numa pintura normal sólida, a figura pode dar uma espécie de impressão plana ter pouca presença e torna-se aborrecida.
A técnica utilizada de enfatizar o efeito estereoscópico alterando o tom de apenas uma cor é chamada de "Modulação de Cor".
Em alguns casos em que você tem uma pequena peça, como um modelo em miniatura, não é fácil ver a mudança apenas alterando a cor de cada superfície.
Assim, a pintura de gradação é usada para enfatizar este efeito estereoscópico.
Exemplo de uso de CS581 Versão Verde Oliva (Olive Drab).


PASSO 1 - SOMBREAMENTO E COR BASE (SHADOW/BASE)
    Inicie a pulverização de sombras com o CMC03 SHADOW (Sombra) em partes profundamente rebaixadas ou em torno das pernas, vãos e frestas.
Em seguida, pinte em geral todo o modelo com a cor de base (VERDE OLIVA (C38).
Neste momento, evite repintar de tal maneira que não para pintar sobre as partes profundas pulverizadas anteriormente no modo sombra, para que essas partes continuem bem visíveis, e dem um bom realce.
 
PASSO 2 - REALCE 1 (HIGHLIGHTS 1)
    Depois de dar um revestimento geral usando a cor de base, vamos começar a "Modulação da Cor".
Use Realce 1 (Highlights 1 CMC01) de tal maneira que deixe uma quantidade razoável de exibição de cor de base. Na pintura do REALCE 1 tente evitar ter painéis pintados com destaque ao lado do outro.

PASSO 3 - REALCE 2 (HIGHLIGHTS 2)
    Adicione tons altos usando REALCE 2 (CMC02) para aumentar o contraste.
As áreas pintadas devem ser menores do que as áreas pintadas com REALCE 1 mais cedo.
Quando um contraste suficiente é obtido com o REALCE 1, é possível usar o REALCE 2 para pintar cabeças de parafuso, pequenas escotilhas ou outros componentes em relevo, usando um pincel para acentuar o efeito.
 
PASSO 4 - SOMBREAMENTO FINAL (SHADOW)
   
Por fim, tente apertar a impressão geral se ficar desfocada com pontos brancos da pintura Highlight. Use Sombra (CMC03) para pintar áreas embutidas (partes profundas) para destacar.
Se Shadow é pulverizado demais, o contraste entre partes brilhantes e partes escuras tende a ser extremo, então diluir a tinta para torná-la um pouco fraca, depois pintar pouco a pouco, observando os resultados e evitando fixar a cor com apenas uma demão. O ponto é definir claramente áreas "afiadas" e "sombras".
Quando a pintura é em cores diferentes, ferramentas como papel, fita adesiva e folha de plástico transparente podem ser usados.
Ao pintar linhas de painel em cores diferentes, principalmente o papel é utilizado (com papel branco é mais fácil verificar o andamento dos resultados da pintura).
Segure o papel com uma mão e o aerógrafo com a outra, e segure a sobre a parte, quando necessário, enquanto pulveriza a tinta.
Retire o papel ocasionalmente para verificar os resultados e pulverizar gradualmente para conseguir um bom resultado. A fita adesiva (masking tape) é usada para formas complicadas, incluindo peças redondas. Fixe firmemente a fita adesiva para evitar que ela se levante. O método de utilização para folha de plástico transparente (folha de cloreto de vinila, etc.) é o mesmo que para o papel. Porque é transparente, é mais fácil ver onde ele precisa ir para evitar que ele saia de posição.
 
http://www.maismodelismo.com.br/produtos/11001/11043/PLASTIMODELISMO/TintasColasDecal/CONJ-Tintas-Mr-Color-MODULATION-SET-CS581---OLIVEDRAB-Ver-4-x-18ml


terça-feira, 15 de novembro de 2016

Vought F4U-1A Corsair - Revell - 1/32

Vought F4U-1A Corsair - Revell - 1/32 
http://www.maismodelismo.com.br/produtos/9239/9282/PLASTIMODELISMO/Avioes--Helic-124-a-132/Vought-F4U-1A-Corsair---Revell---132

Vought Corsair F4U – O Corsair F4U foi um avião de caça americano que serviu primeiramente no final da segunda guerra mundial e depois na Guerra da Coreia. 
A alta demanda pelo Corsair, logo esgotou a capacidade de fabricação da Vought, resultando na produção também pela Goodyear e Brewster. Corsairs construídos pela Goodyear foram designados FG e os construídos pela Brewster receberam a denominação F3A avião. Desde a entrega do primeiro protótipo para a Marinha dos EUA, em 1940, até a entrega final em 1953 para a França, 12.571 unidades de Corsairs F4U foram fabricados pela Vought, em 16 modelos diferentes, no mais longo período de produção de qualquer caça com motor a pistão na história dos EUA (1942 -53). O Corsair foi concebido como uma aeronave para utilização em porta-aviões. No entanto devido ao seu difícil desempenho de pouso em porta-aviões, tornou o Corsair inicialmente inadequado para uso da Marinha, assim, manteve destaque em sua área de maior implantação inicial: utilização terrestre pelos fuzileiros navais dos EUA.
O papel do caça baseado em porta-aviões foi, assim, preenchida pelo então pelo Grumman F6F Hellcat.

Alimentado pelo mesmo motor Wasp Duplo o primeiro protótipo do Corsair voou pela primeira vez em 1940. O Corsair serviu em menor grau na Marinha dos EUA. Além dos EUA e grande uso britânico do Corsair, também foi utilizado pela Força Aérea da Nova Zelândia, pela Marinha Francesa (Aeronavale) e outras forças aéreas menores até a década de 1960. Alguns pilotos japoneses consideravam como o caça americano, o mais formidável da Segunda Guerra Mundial, e da Marinha dos EUA, pois contabilizou alta taxa de destruição. Após resolvidas as questões de pouso em porta-aviões, o Corsair rapidamente se tornou o caça-bombardeiro embarcado mais capaz de II Guerra Mundial. O Corsair serviu quase que exclusivamente como um caça-bombardeiro durante a Guerra da Coréia e durante as guerras coloniais francesas na Indochina e na Argélia. 

 

F4U-1A (Corsair  Mk II) - A designação F4U-1A, que é a segunda versão do Corsair e representa este kit, não aparece em listas de números, pois não foi utilizado oficialmente, sendo aplicado somente no pós-guerra para diferenciar dos F4U-1s produzidos.

O novo design incorporava um novo parabrisas mais amplo. O assento do piloto foi levantado em 7 polegadas (180mm) o que, combinado com a nova capota e uma escora de roda de cauda alongada, permitiu que o piloto tivesse melhor visibilidade ao longo do nariz. Além destas alterações, o cockpit foi melhorado, a altura da traseira em 6 polegadas (150 mm) para melhorar o ângulo de ataque no pouso com os armamentos, e amortecedores mais eficientes, que eliminou os saltos durante o pouso. Foi incluídos ganchos de freio e uma roda de cauda pneumática, em vez do tipo de borracha sólida de menor diâmetro eram mais eficeintes em pouso sobre porta-aviões. Além disso, um motor experimental R-2800-8W com injeção, foi montado em alguns F4U-1.

Após os resultados bastante satisfatórios, toda linha foi equipada com este novo motor. A capacidade de combustível passou para 237 galões (897 litros) no tanque de combustível principal, localizado em frente do cockpit, mais 62 galões (235 litraos) no tanque auxiliar de combustível não blindado, distribuídos nas asas. Com estes tanques, o caça teve um alcance máximo de pouco mais de 1.500 milhas (2.400 km). Uma versão baseada em terra, sem a capacidade de asa dobrável, foi construído pela Goodyear como o FG-1A. No serviço britânico, o Corsair foi modificado com asas mais curtas em 8 polegadas (200 mm) (foram cortadas as pontas das asas), para uso em porta-aviões britânicos, sob a designação da RAF de Corsair Mk II.

Sobre o Kit – A Revell relançou este kit depois de vários anos fora de linha.
Tem uma arte da caixa muito interessante, e as fotos do modelo muito bem montado na caixa. Tem um preço muito interessante para um kit nesta escala. O forte do kit é o detalhamento do motor. O cockpit deixa um pouco a desejar, mas da oportunidade ao modelista para criar um excelente detalhamento interno. Inclui a figura do piloto e a possibilidade de fazer as asas dobradas a bordo de um porta-aviões. Bom encaixe da peças e o painel pode ser feito com o decal incluso.


Decais - A qualidade do decalque é muito boa, as cores são sólidas com opacidade, os contornos vermelhos parecem ter um tom preciso e também as marcações.


Opção 1 - Vought F4U-1A Corsair, VF-17 Squadron US Navy Ondonga, Solomon Islands, November 1943

Opção 2 - Vought F4U-1A Corsair, VF-17 Squadron US Navy Bougainville, Solomon Islands, February 1944 
 

Precisão - Do que eu posso ver a forma certamente parece bem da maioria dos ângulos. Depois de um dry-fit, isto é inegavelmente um Corsair F4U.

domingo, 30 de outubro de 2016

Spitfire MK VI - Trumpeter - 1/24

Spitfire MK VI - Trumpeter - 1/24

HISTÓRIA:


O Spitfire é sem dúvida um dos aviões de combate mais famosos de todos os tempos. Sua rica história e seu desenvolvimento é amplamente conhecida.
Inicialmente o Mk VI foi um estágio provisório baseada no sucesso da fuselagem anterior do Mk V. As mudanças principais foram todas focadas em fornecer melhor desempenho de operações e de combate em maior altitude no papel de caça de interceptação.Uma nova hélice com 4 pás, um motor o mais poderoso Merlin 46 (47) com um design melhorado e um supercharger forneceram ao modelo um pouco mais de 1400 hp. A mudança no powertrain juntamente com uma extensão estendida (pouco mais de 40 pés) com destaque para substituição de treliças triangulares foram as mudanças de estruturas primárias do Mk VI.
Mas infelizmente estas mudanças não entregaram a estabilidade e a energia necessária para operar bem em extrema altitude. Uma cabine de pressurizada foi montada entre as anteparas e uma capota não deslizante adicionada para selar a cabine. No entanto, esta não era uma verdadeira cabine pressurizada da qualidade que vemos em aeronaves modernas, e a falta de pressão em altitude ainda exigia ao piloto o uso do oxigênio. A fim de completar a cabine de pressão um design único, foi necessário selar a cabine do piloto clássica no lado de fora da capota de deslizamento. Na verdade, as mecânicas de deslizamento erram completamente substituídas por uma unidade selada que era fechada antes da descolagem e removida novamente no retorno para a base, pelo lado de fora. Incapaz de cumprir seu papel projetado, a produção Mk VI foi cancelada depois que menos de 100 unidades foram produzidas utilizando padrões do Mk Vb prém todos utilizaram o projeto B de nova asa.

SOBRE O KIT:
Esta é em grande parte uma re-box de Trumpeter Mk V e contém apenas um único novo Sprue, que fornece as peças nas pontas das asas e nova hélice.
Todos os outros com a exceção de novos decalques é mantido a partir do kit anterior. Na verdade, esta avaliação pode facilmente fornecer uma boa olhada em ambos os boxes Mk V e Mk VI. Na caixa resistente habitual de Trumpeter detém o que é basicamente o seu kit Mk V com algumas peças extras. Dada a pequena lista de diferenças entre o V e VI Trumpeter fez uma opção de negócio. Dado que a produção do Mk VI foi pequena (menos de 100 unidades), é difícil imaginar que esta variante poderia ser visto como um kit de suceeso em vendas. Fotos dos Sprues completos em plástico injetado podem ser encontrados no site da Trumpeter.
Todos os detalhes habituiais da Trumpeter estão presentes com o sistema de pinos/dobradiças das asas móveis, uma bucha de borracha para pneus e alguns detalhamentos do motor também estão incluídos. Surpreendentemente um conjunto de três figuras-piloto em resina fantásticas é o destaque. Estes ítens foram oferecidos em qualquer um dos últimos kits complexos da Trumpeter, mas eles são muito úteis para dar mais realidade e vida a um diorama.

Em geral, o detalhe kit é bem representado e detalhado. A cabine do piloto é bem decorada e detalhada, e apresenta painel e instrumentos com sistema de filme, agora o padrão de Trumpeter. Isso traz resultados muito agradáveis, embora o painel claro parece um pouco grosseiro. Bom acelerador e detalhes do manche de vôo estão presentes juntamente com uma muito agradável mira. A cabine deve construída utilizando algumas técnicas de intemperismo padrão, sem dúvida, para trazer todos os detalhes para um representação real.
O detalhe tecido da cauda é um pouco pesado, mas parece exato. Num caso, algumas das partes parecem ter sido enviado para a fabricação, com moldes inacabados superficialmente, mas estas passam despercebido na passagem de garantia de qualidade final.
Baía arma completa e detalhes de arma são fornecidas com portas moldadas separadamente acesso e tambores de munição / cintos para as armas de 20 mm e as metralhadoras .303. Estes também são bem feitos e apenas algum esvaziamento de barril seria sugerido. O motor Merlin é francamente impressionante, com muitas peças, incluindo a correia de borracha flexível.

As tampas do motor são ofereceidas em plástico transparente, para que se possa observar os detalhes. Estranho que este par de peças não sejam oferecidas em plástico opaco, para quem quiser optar por esconder o motor na carenagem. Neste caso a pessoa escolhe para pintar as peças claras, que deveria ser fácil o suficiente. Talvez o único inconveniente aqui, seria a diferença no brilho da superfície clara para a pintura, e a natureza mais frágil do estireno claro duro. As partes claras são bem detalhadas e muito delicadas. Alguma curva foi necessária para a tela e para tamap e isso pode para ambos ser um problema de secagem da pintura na montagem.
Não há nada previsto para replicar a porta da cabine selada, nem as alterações feitas na capota e vidros traseiros do Mk VI, e novamente tudo o que está incluído para representar o VI é a único Sprue de peças transparentes. Parece que apenas as mudanças exteriores para os MkVI estão incluídos. Dito isto, a nova hélice e cone são muito agradáveis e as partes nas pontas das asas retem detalhe consistente para o resto do kit e oferecem boa forma. O modelista deve serrar as pontas das asas padrão Mk V para prender as substituições.

DECAIS:

Os decais têm aspecto muito agradável, são finas e, no exemplo de avaliação, e representam um bom registo. Marcações incluem um navio da esquadra 124, e um caça do famoso "Esquadrão Águia". A asa e a fuselagem se juntam, tendo um sistema de guia muito bem projetado para assegurar um ajuste apertado e adequado.

- Spitfire MkVi BR5/H-NO.124 Sqdn july 1942.
- Spitfire MkVi AB534.“EAGLE” Sqdn.

PRECISÃO:

A forma geral é muito boa. A fuselagem e as asas correspondem muito bem para planos confiáveis. As pontas das asas alongadas e a hélice de 4 pás capturam o olhar e a sensação do Mk VI bem.

CONCLUSÃO:
Com este kit, se pode fazer uma grande, divertida e detalhada montagem. Embora o fascínio de mercado do Mk VI é pouco pela sua pouca produção e utilização durante a guerra, é um modelo raro, e é bem representada aqui com de detalhes precisos do sistema Cabine. Os melhores kits Spitfire na escala 1/24, são fabricados pela Trumpeter aqui sem dúvida. 

SPITFIRE MK VI - Kit para montar e pintar - PLASTIMODELISMO
Modelo Estático destindo a Hobby - NÃO TEM VALOR DE BRINQUEDO
NÃO CONTÉM COLA NEM TINTAS
marca: TRUMPETER
código: TRU02413
escala: 1/24
tamanho: 384,80 mm511,2 mm (38,4 cm x 51,1 cm)

n. de peças: 231
INCLUI RODAS DE BORRACHA, PHOTO-ETCHED, FILME DO PAINEL, DECAIS E MANUAL EM INGLES
http://www.maismodelismo.com.br/produtos/7011/7043/1/PLASTIMODELISMO/Spitfire-MK-VI---Trumpeter---124

 

domingo, 23 de outubro de 2016

Spitfire Mk.Vb / Trop - Trumpeter - 1/24

Spitfire Mk.Vb / Trop HISTÓRIA - A história do Supermarine Spitfire e sua contribuição para a defesa da Grã-Bretanha e da guerra aérea, em geral, está bem documentada em artigos e opiniões sobre o assunto. Vamos focar o Spitfire Mk.Vb / Trop em particular.
O motor Merlin 45 começou a ser fabricado em grande quantidade, devido a uma melhora no seu desempenho e uma melhora também nas instalações industriais existentes.
Este motor foi facilmente adaptável no compartimento dos Spitfire Mk.I e Mk.II existentes e, quando esse motor foi adicionado à linha de produção já existente, a designação resultante foi Mk.V. O Spitfire Mk.III era supostamente para ser próxima versão, mas os problemas de desenvolvimento anteciparama à produção da versão provisória Mk.V. 
A versão inicial foi o Spitfire Mk.Va, que estava armado com oito metralhadoras Browning .303. Essa combinação, que também armou o Hawker Hurricane, não tinha o suficiente poder de perfuração, que levou ao desenvolvimento da versão Mk.Vb, que substituiu quatro das metralhadoras Browning por dois canhões de 20 mm Hispano. A instalação melhorou significativamente o poder de fogo do Spitfire, mas os armazenava apenas 60 cartuchos redondos, o que limitava os seu compromissos. A versão Mk.Vc resolveria isto através da reestruturação da asa para acomodar o canhão com armazenamento de 120 cartuchos redondos. Apesar de ser uma solução provisória, o Spitfire Mk.V foi a segunda versão mais produzida desta aeronave, e esteve em serviço em todas as operações da época.
http://www.maismodelismo.com.br/produtos/6704/6740/1/PLASTIMODELISMO/Spitfire-Mk-Vb--TROP---Trumpeter---124

Spitfire Mk.Vb / Trop - O KIT - Este kit é do Trumpeter lançado anteriormente como Spitfire Mk.Vb, com uma nova árvore com os filtros de ar novos decias, para a versão tropicalizada “Trop”. O kit injetado em plástico estireno cinza claro e é um modelo bem detalhado. Do que eu poderia reunir com os especialistas que examinaram a versão anterior Spitfire Mk.Vb, o kit é bem preciso na forma e dimensão.
Para facilitar a nova versão Mark Vb / Trop, a Trumpeter fornece uma nova árvore de filtros do canal de entrada de ar, com a opção outra hélice; a sua escolha de filtro de ar Vokes, filtro de ar Aboukir ou entrada do carburador padrão; a barriga conformada com o tanque de combustível externo; e, pontas cortadas das asas para a versão LF. O motor é um Merlin 45, é um modelo super-detalhado e bem adequado ao avião. Para mostrar todos os detalhes do motor, o kit inclui painéis laterais da tampa do motor transparentes opcionais. O kit também fornece painéis de acesso para ver as quatro metralhadoras Browning e dois canhões Hispano de 20 mm, todos muito bem detalhados.
Três figuras de resina absolutamente deslumbrantes estão incluídas neste kit. Um está pronto para voar, um está vestindo sua jaqueta de vôo, e o terceiro está usando uniforme normal de voo.
Principais comentários de modelistas que montaram o Spitfire 1/24 Trumpeter em relação ao Spitfire 1/24 Aifix: primeira impressão foi muito boa em comparação com o da Airfix. Peças duplas, detalhes melhores, geralmente na maioria das principais partes da aeronave, exceto no assento do piloto na base plana da parte inferior do assento. Outro ponto, foram os furos muito pequenos dos instrumentos. A parte do motor é muito boa, algumas peças extras e as 3 figuras em resina, fazem a diferença em relação ao do modelo Airfix.
Decais com marcações para duas versões diferentes a escolher: ·
A) Spitfire Mk.Vb, IR-G, AB502, 244 Wing, Gabourine South, Tunisia, Wing Cdr Ian R. Gleed, April 1943
B) Spitfire Mk.Vb, AN-T, BR195, 417 Sqn, Flt.Lt. Pentland, 1942 

SPITFIRE Mk Vb / TROP - TRUMPETER - Kit para Montar e Pintar - PLASTIMODELISMO
Modelo Estático destinado a Hobby - NÃO TEM VALOR DE BRINQUEDO
Não contém Cola nem Tintas
marca: TRUMPETER
código: TRU02412
escala: 1/24
tamanho: 384,80 mm x 415 mm

n. de peças: 231
INCLUI RODAS DE BORRACHA E 3 FIGURAS
 

domingo, 11 de setembro de 2016

Eurofighter TYPHOON Twin Seater - Revell - 1/32

Eurofighter TYPHOON Twin Seater - Revell - 1/32

http://www.maismodelismo.com.br/produtos/8800/8840/PLASTIMODELISMO/Avioes--Helic-124-a-132/Eurofighter-TYPHOON-Twin-Seater---Revell---132 


O Eurofighter EF2000 Typhoon começou como o programa EAP na década de 1970 engenharia inteiramente pela BAe, mas mais tarde foi acompanhado por uma série de parceiros internacionais devido a uma exigência supostamente comum, com a parceria mudando ao longo do tempo para acabar com a GrãBretanha, Alemanha, Espanha e na Itália restante, enquanto a França construiu sua própria maneira com os dados de Aerodinâmica para criar o Rafale, que tem um arranjo geral similar. Atrasos e custos parece ser um fator comum em aquisições de material militar moderno, e o Typhoon sofreu muitos, resultando nos alemães aceitarem a entrega da primeira estrutura aérea em 2003, a Itália em 2005 e no Reino Unido em 2007. Fuselagens operacionais, desde então, participam de operações na Líbia e na Albânia sob controle da Itália. Após os Typhoons britânicos serem inicialmente encomendado sem armas, a seguir, com armas, mas sem munição, que foi novamente derrubada, devido ao tempo, eles foram fundados em 2011, devido à falta de peças de reposição, o que exigiu a RAF a canibalizar fuselagens fundamentadas para continuar voando. A variante de dois lugares é usada para treinamento e conversão, embora seja capaz de ir para a guerra, se as necessidades exigirem, tendo todos os sistemas no lugar para torná-la viável. O Tiffie é um grande prazer para show aéreo de multidão devido à sua agilidade em todas as velocidades, e o impressionante rugido ruptura de seus motores a jato EF2000 gêmeos que o impulsionam, caminha com uma potência de 20,000 lbf impressionantes do motor com reaquecimento envolvido.

quarta-feira, 7 de setembro de 2016

Dimetrodon - MODEL-SET Revell - 1/13

Dimetrodon - MODEL-SET Revell - 1/13

http://www.maismodelismo.com.br/produtos/9718/9761/PLASTIMODELISMO/Outros-kits--Desktop/DINOSAURS---Dimetrodon---MODEL-SET-Revell---113

Dimetrodon
Dimetrodon (que significa "duas medidas de dentes") era um gênero de predador sinápsideo (um grupo de animais intermediários entre os mamíferos e répteis) que floresceu durante o período Permiano, vivendo entre 280-265 milhões de anos atrás. Foi mais estritamente relacionada aos mamíferos do que aos répteis atuais, como os lagartos.
O dimetrodonte não era um dinossauro, apesar de ser popularmente agrupado com eles. Pelo contrário, é classificada como uma Pelycosauria. Fósseis de dimetrodontes foram encontrados na América do Norte e Europa, bem como uma importante descoberta de pegadas de Dimetrodonte no sul do Novo México, por Jerry MacDonald. O nome "Dimetrodon[te]" remete á sua peculiaridade e reafirma sua ligação com os mamíferos modernos. De fato os lagartos possuem pouca diferenciação na sua dentição, sendo que seus dentes variam mesmo no tamanho e no volume. Já o Dimetrodonte possui dentes de dois tamanhos diferentes, especializados, um tipo para dilacerar e outro para moer, característica compartilhada com os mamíferos. Outro fato que salta aos olhos é a posição dos seus membros, nota-se pela imagem que o Dimetrodonte já deixava sua postura reptiliana (com membros embaixo do corpo) para adotar uma postura reconhecidamente mamífera (com os membros dos lados do corpo). Mas talvez a maior ligação entre esse Pelycossauro e os mamíferos modernos esteja ligada com essa estranha vela em suas costas. Répteis são pescilotermos ("temperatura de peixe") e seu calor corporal depende de sua exposição ao meio ambiente: Ambientes frios tendem á deixar o réptil mais inativo e letárgico. Ambientes quentes aumentam a temperatura do corpo do animal e o deixam mais ativo. Nos répteis a temperatura do corpo do animal depende de sua exposição ao sol. O Dimetrodonte possuía essa vela que agilizava o processo: Perpendicularmente aos raios do sol, o animal absorvia muito mais calor e estaria em atividade na metade do tempo dos demais predadores - obedecendo a regra de que "o pássaro madrugador captura a minhoca" - enquanto os demais ainda estariam ao sol. Em paralelo aos feixes de luz, essa mesma vela serviria como um radiador, eliminando o excesso de calor do corpo do animal. Dessa forma o Dimetrodonte conseguia manipular a temperatura do seu corpo e esta já não dependia tanto de fatores estritamente ambientais. Essa capacidade de estabelecer e manter (mesmo que com limitações) a temperatura interna de seu corpo é o princípio da homeotermia, onde a temperatura do corpo não varia ou varia pouco. E essa característica está presente apenas nas aves e nos mamíferos. Daí esta tendência á aproximar o Dimetrodonte aos mamíferos modernos e, de fato, segundo pesquisas arqueológicas apresentadas nos documentários mais conhecidos, este animal seria o protótipo e o ancestral de todos os mamíferos modernos, o braço que deu origem aos mamíferos atuais, ou pelo menos aos homeotermos em geral.

segunda-feira, 21 de setembro de 2015

Lamborghini Miura Concept

Lamborghini Miura Concept

O Lamborghini Miura Concept foi apresentado em 2006, em comemoração aos 40 anos do lançamento do Lamborghini Miura original que foi apresentado no Salão Motor Show de Genebra em 1996.

Este carro conceito tem um design semelhante ao belo Miura da década de 60, porém foi construído com uma mecânica e plataforma do atual Lamborghini Murciélago.
Este modelo não entrou e não entrará em produção. A Lamborghini informa que este conceito foi feito unicamente para a celebração dos 40 anos deste clássico. O único exemplar pode ser visto no Museu Lamborghini de Sant'Agata, em Bolonha na Itália.

A miniatura do Lamborghini Miura Concept está disponível em: http://www.maismodelismo.com.br/produtos/8128/8166/MINIATURAS/-CARROS---124-a-127/LAMBORGHINI-MIURA-Concept-Amarela---124

domingo, 26 de janeiro de 2014

PALÁCIO DE BUCKINGHAM (BUCKINGHAM PALACE)

PALÁCIO DE BUCKINGHAM (BUCKINGHAM PALACE) - Modelo Estático em 3 dimensões - Quebra-Cabeça 3D - CUBIC FUN

O Palácio de Buckingham, localizado em Londres, Reino Unido, é a residência oficial de monarcas britânicos, por ser base de todas as visitas oficiais de chefes de estado, é considerado também um local de grande entretenimento, gerando atração turística. Esse prédio não é admirado por todos, em 2005, foi considerado o quarto prédio mais feio de Londres.
O palácio, um dos principais símbolos britânicos, foi construído em 1703 pelo Duque de Buckingham e adquirida pelo rei Jorge III em 1762. Inicialmente era considerada uma residência privada, foi reformada e aumentada ao logo de 75 anos, sendo conhecida como A Casa da Rainha (The Queen's House).
O edifício é constantemente usado por membros da família real para entretenimento oficial e de estado, é um dos mais conhecidos e visitados edifícios do mundo, e seu atual proprietário é o Governo do Reino Unido.
O castelo escapou ileso da Primeira Guerra Mundial, foi durante a Segunda Guerra, que o palácio foi bombardeado sete vezes, uma vez que os Nazistas acreditavam que a destruição do prédio seria considerado uma desmoralização da nação. O mais sério bombardeamento foi aquele que em 1940 destruiu a capela, na qual a cobertura desse evento foi exibida no cinema de toda a Inglaterra, para assim mostrar o sofrimento comuns de todas as classes sociais.

Para montar este quebra-cabeça BUCKINGHAM PALACE - Cubic Fun
Para ver outros quebra-cabeça 3D em www.maismodelismo.com.br
MAIS Quebra-Cabeça 3D